Hora absurda

Una mia traduzione amatoriale di Hora Absurda di Fernando Pessoa.

Vermer

– – –

Ora assurda

Il tuo silenzio è una nave con tutte le vele spiegate…
Blande, le brezze attizzano le bandiere, il tuo sorriso…
E il tuo sorriso nel tuo silenzio è come trampoli e scalinate
Con cui mi fingo più alto e alle porte di qualunque paradiso…

Il mio cuore è un vaso che è caduto e infranto…
Il tuo silenzio lo raccoglie e lo conserva, rotto, in disparte…
La mia idea di te è un cadavere che il mare spiaggia…, e intanto
Sei la tela irreale in cui erro a colori la mia arte…

Apri tutte le porte e che il vento spazzi via l’idea
Che abbiamo di un fumo che profuma d’ozio i saloni…
La mia anima è una caverna colmata dall’alta marea,
E la mia idea di sognarti una carovana d’istrioni…

Piove oro opaco, ma non là fuori… E’ in me… Io sono l’Ora,
E l’Ora è di spaventi ed è tutta un fantasma di se stessa…
Nella mia attenzione c’è una povera vedova che senza pianto s’addolora…
Nel mio cielo interiore mai vi fu una sola stella…

Oggi il cielo è pesante come l’idea di mai attraccare in un porto…
La pioviggine è vuota… L’Ora sa d’essere passata…
Esser nulla come letti per le navi!… Assorto
Nell’alienarsi da sé, il tuo sguardo è una piaga insensata…

Ogni mia ora è fatta di diaspro negro,
In un marmo che non esiste ogni mia ansia è scolpita,
Né gioia né dolore è il dolore in cui mi rallegro,
E la mia bontà né buona né cattiva è invertita…

I fasci dei littori si sciolsero ai margini delle vie…
Gli stendardi delle vittorie medievali neppure raggiunsero le crociate…
Sistemarono utili in-folio fra le pietre delle barricate…
E l’erba crebbe gramigna fra i binari delle ferrovie…

Ah, quest’ora quanto è vecchia!… Nessuna nave resta da salpare!
Sulla spiaggia solo un cavo tranciato e brandelli di vela parlano
Di lontananza, delle ore del Sud, di dove i nostri sogni trovano
Tacendola a se stessi quell’angoscia del continuo sognare…

Il palazzo è in rovine… Nel parco abbandonato fa male
Vedere la fontana senza getto… Nessuno leva lo sguardo dal viale
Davanti a quel luogo d’autunno e di sé ha nostalgia…
Questo paesaggio è un manoscritto con la frase più bella tagliata via…

La donna pazza infranse tutti i candelabri glabri,
Tracce umane nel lago pieno di cartacce, sozze…
E la mia anima è quella luce che mancherà ai candelabri…
E che cosa bramano a manca le mie ansie, fortuite brezze?…

Perché mi affliggo e mi dolgo?… Si stendono nude al chiaror lunare
Tutte le ninfe… Sono già partite al ritorno del sole…
Il tuo silenzio che mi avvolge è l’idea di naufragare,
E suona la lira di un immaginato Apollo l’idea della tua voce…

Non ci sono più code di pavone occhiute nei giardini d’una volta…
Le loro stesse ombre sono ben più tristi… Ebbene
Ci sono tracce di vestiario contadino (sembra) in terra, e una sorta
Di eco di passi sul finire del cammino geme…

Tutti gli occasi s’accorparono nella mia anima…
Raffrescò sotto i miei piedi freddi l’erba di tutti i prati…
L’idea di giudicarti calma nel tuo sguardo si fece arida,
E ch’io veda questo in te è un porto senza navi.

Si levarono a un tempo tutti i remi… per le messi dorate
Passò una nostalgia di non essere il mare… Al cospetto
Del mio trono d’assenza vi sono gesti con pietre rare…
La mia anima è un lume ancor caldo seppure spento…

Ah, e il tuo silenzio è un profilo di pinnacolo al sole!
Tutte le principesse sentirono al seno uno stringimento…
Dall’ultima finestra del castello un unico girasole
Si vede, e il sognarne altri pone brume nel nostro sentimento…

Il nostro essere, e non più essere!… Oh leone nato rinchiuso!…
Rintocchi di campane d’aldilà, nell’Altra Valle… Qui appresso?…
Arde il collegio e in aula un bambino restò chiuso…
Perché non dev’essere il Nord il Sud?… Che cosa è scoperto?…

E io deliro… Repentino mi soffermo su un pensiero… Ti fisso…
E il tuo silenzio è una mia cecità… Ti fisso e sogno…
Nel mio meditarti ci sono serpenti e qualcosa di rosso,
E la tua idea sa di un ricordo dal sapore maligno…

Perché non provar per te disprezzo? Perché non poterlo perdere?…
Ah, lascia ch’io ti ignori… Il tuo silenzio è un ventaglio –
Un ventaglio chiuso, un ventaglio che sarebbe tanto bello schiudere,
Ma non farlo è ancor più bello, affinché l’Ora non commetta uno sbaglio…

Gelarono tutte le mani incrociate su tutti i petti…
Appassirono più fiori di quanti ce ne fossero nel campo…
Il mio amarti è una cattedrale di silenzi eletti,
E i miei sogni una scala senza principio né scampo…

Qualcuno sta entrando dalla porta… Il sorriso dell’aria si fa sentire…
Godono i veli delle vergini le vedove tessitrici che li tessono…
Ah, il tuo tedio è una statua di una donna che ha da venire,
Il profumo che i crisantemi avrebbero, se l’avessero…

E’ necessario distruggere il proposito di tutti i ponti,
I paesaggi di tutte le terre rivestire di straniamento,
Raddrizzare a forza la curva degli orizzonti,
E per il dover vivere, come uno stridìo di seghe, un lamento…

C’è talmente poca gente che ama i paesaggi che non esistono!…
Saper che vi sarà ancora lo stesso mondo domani – come ci sconforta!…
Che il mio udire il tuo silenzio non sia nubi che rattristano
Il tuo sorriso, angelo esiliato, e il tuo tedio, aureola smorta…

Soave, come aver madre e sorelle, ricca scende la sera…
Non piove più , e il vasto cielo è un grande sorriso imperfetto…
La mia coscienza d’aver coscienza di te è una preghiera,
E il mio saper che sorridi è un fiore appassito al mio petto…

Ah, se fossimo due figure su una lontana vetrata!…
Ah, se fossimo i due colori di una bandiera di gloria!…
Polverosa fonte battesimale, statua acefala in un canto posata,
Stendardo di vinti con iscritto questo motto – Vittoria!

Cos’è che mi tortura?… Se persino il tuo viso calmo riesce
A colmarmi solo di tedi e d’oppi d’ozi maligni…
Non so… Io sono un pazzo che la sua stessa anima stupisce…
Io fui amato in effigie in un paese aldilà dei sogni…

– – –

Hora absurda

O teu silêncio é uma nau com todas as velas pandas…
Brandas, as brisas brincam nas flâmulas, teu sorriso…
E o teu sorriso no teu silêncio é as escadas e as andas
Com que me finjo mais alto e ao pé de qualquer paraíso…

Meu coração é uma ânfora que cai e que se parte…
O teu silêncio recolhe-o e guarda-o, partido, a um canto…
Minha ideia de ti é um cadáver que o mar traz à praia…, e entanto
Tu és a tela irreal em que erro em cor a minha arte…

Abre todas as portas e que o vento varra a ideia
Que temos de que um fumo perfuma de ócio os salões…
Minha alma é uma caverna enchida pela maré cheia,
E a minha ideia de te sonhar uma caravana de histriões…

Chove ouro baço, mas não no lá-fora… É em mim… Sou a Hora,
E a Hora é de assombros e toda ela escombros dela…
Na minha atenção há uma viúva pobre que nunca chora…
No meu céu interior nunca houve uma única estrela…

Hoje o céu é pesado como a ideia de nunca chegar a um porto…
A chuva miúda é vazia… a Hora sabe a ter sido…
Não haver qualquer coisa como leitos para as naus!… Absorto
Em se alhear de si, teu olhar é uma praga sem sentido…

Todas as minhas horas são feitas de jaspe negro,
Minhas ânsias todas talhadas num mármore que não há,
Não é alegria nem dor esta dor com que me alegro,
E a minha bondade inversa não é nem boa nem má…

Os feixes dos lictores abriram-se à beira dos caminhos…
Os pendões das vitórias medievais nem chegaram às cruzadas…
Puseram in-fólios úteis entre as pedras das barricadas…
E a erva cresceu nas vias férreas com viços daninhos…

Ah, como esta hora é velha!… E todas as naus partiram!
Na praia só um cabo morto e uns restos de vela falam
De Longe, das horas do Sul, de onde os nossos sonhos tiram
Aquela angústia de sonhar mais que até para si calam…

O palácio está em ruínas… Dói ver no parque o abandono
Da fonte sem repuxo… Ninguém ergue o olhar da estrada
E sente saudades de si ante aquele lugar-Outono…
Esta paisagem é um manuscrito com a frase mais bela cortada…

A doida partiu todos os candelabros glabros,
Sujou de humano o lago com cartas rasgadas, muitas…
E a minha alma é aquela luz que não mais haverá nos candelabros…
E que querem ao lado aziago minhas ânsias, brisas fortuitas?…

Porque me aflijo e me enfermo?… Deitam-se nuas ao luar
Todas as ninfas… Veio o sol e já tinham partido…
O teu silêncio que me embala é a ideia de naufragar,
E a ideia de a tua voz soar a lira dum Apolo fingido…

Já não há caudas de pavões todas olhos nos jardins de outrora…
As próprias sombras estão mais tristes… Ainda
Há rastos de vestes de aias (parece) no chão, e ainda chora
Um como que eco de passos pela alameda que eis finda…

Todos os ocasos fundiram-se na minha alma…
As relvas de todos os prados foram frescas sob meus pés frios…
Secou em teu olhar a ideia de te julgares calma,
E eu ver isso em ti é um porto sem navios…

Ergueram-se a um tempo todos os remos… Pelo ouro das searas
Passou uma saudade de não serem o mar.. Em frente
Ao meu trono de alheamento há gestos com pedras raras…
Minha alma é uma lâmpada que se apagou e ainda está quente…

Ah, e o teu silêncio é um perfil de píncaro ao sol!
Todas as princesas sentiram o seio oprimido…
Da última janela do castelo só um girassol
Se vê, e o sonhar que há outros põe brumas no nosso sentido…

Sermos, e não sermos mais!… Ó leões nascidos na jaula!…
Repique de sinos para além, no Outro Vale… Perto?…
Arde o colégio e uma criança ficou fechada na aula…
Porque não há-de ser o Norte o Sul?… O que está descoberto?…

E eu deliro… De repente pauso no que penso… Fito-te
E o teu silêncio é uma cegueira minha… Fito-te e sonho…
Há coisas rubras e cobras no modo como medito-te,
E a tua ideia sabe à lembrança de um sabor de medonho…

Para que não ter por ti desprezo? Porque não perdê-lo?…
Ah, deixa que eu te ignore… O teu silêncio é um leque —
Um leque fechado, um leque que aberto seria tão belo, tão belo,
Mas mais belo é não o abrir, para que a Hora não peque…

Gelaram todas as mãos cruzadas sobre todos os peitos…
Murcharam mais flores do que as que havia no jardim…
O meu amar-te é uma catedral de silêncios eleitos,
E os meus sonhos uma escada sem princípio mas com fim…

Alguém vai entrar pela porta… Sente-se o ar sorrir…
Tecedeiras viúvas gozam as mortalhas de virgens que tecem…
Ah, o teu tédio é uma estátua de uma mulher que há-de vir,
O perfume que os crisântemos teriam, se o tivessem…

É preciso destruir o propósito de todas as pontes,
Vestir de alheamento as paisagens de todas as terras,
Endireitar à força a curva dos horizontes,
E gemer por ter de viver, como um ruído brusco de serras…

Há tão pouca gente que ame as paisagens que não existem!…
Saber que continuará a haver o mesmo mundo amanhã — como nos desalegra!…
Que o meu ouvir o teu silêncio não seja nuvens que atristem
O teu sorriso, anjo exilado, e o teu tédio, auréola negra…

Suave. como ter mãe e irmãs, a tarde rica desce…
Não chove já, e o vasto céu é um grande sorriso imperfeito…
A minha consciência de ter consciência de ti é uma prece,
E o meu saber-te a sorrir uma flor murcha a meu peito…

Ah, se fôssemos duas figuras num longínquo vitral!…
Ah, se fôssemos as duas cores de uma bandeira de glória!…
Estátua acéfala posta a um canto, poeirenta pia baptismal,
Pendão de vencidos tendo escrito ao centro este lema — Vitória!

O que é que me tortura?… Se até a tua face calma
Só me enche de tédios e de ópios de ócios medonhos…
Não sei… Eu sou um doido que estranha a sua própria alma…
Eu fui amado em efígie num país para além dos sonhos…

4-7-1913

– – –

Testo originale: arquivopessoa.net

Annunci

Lascia un commento

Archiviato in *Fabrizio, Libri o scrittura

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google+ photo

Stai commentando usando il tuo account Google+. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...